27 de mar de 2009


Queria falar de medo, dessa sensação que me apavora algum tempo...
Acho que tenho medo das incertezas, das interrogações que ultimamente fazem parte da minha vida...
As vezes me sinto covarde por isso, mas descobri que covardia não é ter medo, covardia é não enfrentar o medo. Muitas vezes o escondo dentro de mim, numa barreira onde eu mesmo construí para que ele não ultrapasse a minha força, minha capacidade de lutar pela vida, e assim travo uma luta diária para tentar contê-lo dentro de seu esconderijo.
Tento não me fazer perguntas sobre o futuro - e o engraçado é que tantas vezes tentei adivinhar o futuro pra outras pessoas - e hoje o futuro me apavora. Na verdade tento não fazer planos, porque nem mesmo sei o caminho que terei de seguir , tenho uma única certeza: de repaginar e começar tudo de novo; pois os marcadores de minha vida ,de uma certa forma, foram zerados.
Começar de novo, ta aí uma parte do medo. Terei que deixar sonhos - ou pelo menos reformá-los completamente - encontrar novos caminhos, nova forma de sonhar... Aprender ver a vida de outra forma, de outro ângulo. Deve ser isso que a vida tinha para me mostrar: sempre é possível recomeçar. Porque inúmeras vezes me perguntei o porquê de tudo isso, castigo talvez, mais não me sinto um ser tão ruim assim para merecer tanto. Não fiz tantas coisas heróicas, mais também não fui insensível ao próximo, acho que consegui ajudar do meu jeito, tentando fazer o melhor possível.
Mas, talvez até entenda, tentei fazer um retrospecto de mim, e cheguei a conclusão que sempre fui um ser passível demais, sempre deixando que me conduzissem, sendo aquilo que as pessoas queriam que eu fosse. Escondi de mim meus desejos, meus anseios, procurando ser a filha perfeita, a amiga gente boa, que ouvi tudo, que aconselha sempre, ou ate "adivinha" as coisas...

Tive que crescer rápido demais, enfrentar o mundo cedo demais, como um camaleão me camuflando dos sentimentos, me adaptei a cada lugar que vivi. O silêncio sempre foi meu companheiro, e muitas vezes, mesmo cercada de pessoas a solidão era minha única companheira. Mas não culpo ninguém, eu que me isolei da vida, do seu real significado, das suas verdadeiras sensações, eu fiz a escolha de ser assim, acho que desse jeito tudo se tornaria mais fácil. Fácil de ser aceita por todos e pelo mundo.
Ai então quando percebi que para muitos eu era apenas isso, um bom par de orelhas, ou uma boa e amável companhia.
Resolvi me isolar de tudo e de todos, acabei me afastando de todo mundo, achei que seria mais fácil assim, viver pacificamente comigo. E ai vem a vida e me prova que eu estava redondamente enganada; pois não se vive só, ela na verdade é uma corrente, "mãos dadas se constrói o mundo, se vive a vida". Nossa, como aprendi isso. Acho que essa é minha verdadeira lição.
Fui capaz de conquistar amigos verdadeiros, leais na alegria e na dor, companheiros de toda uma vida. É possível encontrar novas famílias, pais e mães adotivos, pessoas que amo de um jeito todo especial. Sou capaz de amar, mas amar tanto que não sei como dentro de mim pode ter tanto espaço pra amar alguém, amor por amigos que são na verdade minha família, fui eu quem os conquistou, pois eles ficaram comigo pelo que sou, pelo que represento em suas vidas, de alguma forma me sinto parte deles. Nem todos eram assim - é porque não eram importantes.
Não me arrependo de nenhum momento vivido, sofrido... Tudo foi aprendizagem; um legado que levarei comigo por toda a vida e depois dela. Acredito na eternidade da alma, e assim, posso dizer - tenho medo sim- assumo isso pra mim mesmo, logo também sou humana, feita de sentimentos, erros e acertos, mas isso não faz de mim uma covarde. Sou forte o suficiente para poder enfrentar obstáculos oferecidos pela vida a serem ultrapassados.
Independente do que acontecer, do desfecho de minha vida, eu serei dona dela. E com certeza, todo dia, por mais medo que tenha, por mais incertezas me apareça, vou lutar com todas as forças que tiver, porque sei que sou capaz disso. E além de tudo, devo isso a todos que ficaram do meu lado quando mais precisei...


Ana Carolina

2 comentários:

lindokara disse...

oRol minha queria!! vim aq pra te desejar td de bom e muita, mais muita saude!!!te doruuu muito!!!

Nativa... disse...

Sabe Menina Guerreira...

Algumas vezes eu me questionei o "pq" de ter demorado tanto a estar perto de você nestes momentos todos... A resposta me veio... Eu estava com problemas e não podia passar isso pra você...

Hoje, mais refeita de muitos percalços, estou perto... Pouco, é verdade, mas estou inteira...

Você sabe do meu carinho e respeito por ti e que estou aqui pro que der e vier...

Algumas vezes o medo realmente nos enfraquece, mas este mesmo medo é o que nos torna a FORÇA para seguir...

Admiro você cada dia mais, a cada pequeno passo, cada pequena vitória... A felicidade não é mesmo um amontoado de "pequenas coisas"? Rs

Amo muito você e agradeço pela oportunidade de ser sua amiga...